sábado, 15 de março de 2014

Herman Schmitz - O Pesadelo — Leitura Performática


Herman Schmitz apresenta uma história de Terrassol: O Pesadelo

Veremos a seguir uma das histórias do livro Terrassol do poeta e escritor Herman Schmitz, natural de Curitiba, mas que reside em Londrina há mais de 26 anos.

Herman lê ficção científica desde os 10 anos de idade e já produziu por diversas vezes obras neste gênero, como poemas, peças para teatro e contos; também ministrou oficinas como “Outros Mundos” no Festival Literário de Londrina — O LONDRIX de 2007 e hoje mantém o Blog Marcianos como no cinema.blogspot pelo qual divulga autores nacionais e estrangeiros relacionados com a ficção científica.

Sua mais recente produção no gênero é o livro de contos ainda inédito, intitulado TERRASSOL, do qual assistiremos um pequeno fragmento, e que começou a ser escrito em 2010 no formato de longos e médios poemas, explorando temas comuns na ficção científica, como viagens no tempo, viagens a outras dimensões, abduções alienígenas, super-heróis, clonagens, catástrofes planetárias e outros assuntos característicos da ficção científica. No entanto, à medida que os textos foram crescendo, houve a necessidade de convertê-los para o formato de contos e outros meios multimídias como a desta leitura de hoje.

Assim, o livro TERRASSOL é composto de 25 histórias que possuem como pano de fundo em comum, o planeta Terrassol e as histórias da sua única espécie inteligente: os terrassolenses, já há muito dizimados por ordem do Conselho Galático Universal.

Portanto essas histórias de Terrassol não são mais as narrativas originais dos terrassolenses, embora sejam baseados em seus documentos, nelas já se mesclam invenções, alguns exageros e também adaptações ao decorrer do tempo, à quais persiste um estranho senso de humor alienígena.

Nesta noite, o próprio autor Herman Schmitz apresenta uma leitura performática do seu conto O Pesadelo, no qual narra as desventuras com a passagem do tempo, de um tripulante solitário em uma estação espacial no sexto satélite do planeta Saturno. Lembremos que Saturno na mitologia romana está associado à Cronos, Deus do tempo; Deus impiedoso que diariamente devora aos seus próprios filhos...

Quero agradecer a todos os que me acompanham nesta viagem, especialmente a Christine Vianna pela oportunidade, ao Sergio Mello pelo apoio técnico e a todo o público participante que foi surpreendido e abduzido pela FICÇÃO CIENTÍFICA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário