terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Bilênio - J.G. Ballard (Resenha)


Billenium de J. G. Ballard


Superpopulação, ou alguma situação artificial forçando as pessoas a viver em proximidade, tem sido um tema recorrente na obra de JG Ballard, mas raramente ele ou qualquer outro escritor pintou um quadro tão eficaz e terrível como neste conto do início de sua carreira. O protagonista acaba de realizar o estado invejável de ter alugado uma pequena porção de uma escada como sua nova casa, a primeira vez que ele teve um espaço seu próprio durante toda a sua vida. Embora ele meça menos de quatro metros de comprimento, seus visitantes expressam alegria e inveja sobre sua vista panorâmica.

Não há trégua lá fora. O tráfego motorizado é inexistente, porque as ruas são tão cheios de pedestres que existem até ocasionais congestionamentos durante os quais multidões ficam bloqueadas no lugar, por horas ou mesmo dias. Todas as portas das residências pessoais têm de abrir para fora porque não há espaço suficiente para que se abram interiormente. Fora das cidades cheias, a paisagem efetivamente deixou de existir, sendo substituída por fazendas industriais necessárias para alimentar a população de bilhões da Terra. As ondas de claustrofobia em massa tornaram-se uma ameaça à saúde pública.

O protagonista é forçosamente uma criatura de hábitos, movendo-se apenas na direção para onde os pedestres estão fluindo, fora de contato com sua família, pois é muito difícil alcançar o bairro onde moram. Ele enfrenta uma nova crise, quando seu proprietário descobre que seu espaço alocado é um pouco mais que as dimensões máximas permitidas para uma única pessoa e o expulsa. Ele e um amigo resolvem morar juntos e alugam um quarto novo, menor do que o anterior, mas eles têm o prazer de descobrir que por trás de uma parede há uma área muito maior, que de alguma forma foi esquecida quando as novas repartições foram construídas. Eles se espantam ao descobrir que eles realmente podem estender os braços para fora e para os seus lados, sem tocar alguém ou alguma coisa.

Sua alegria pela descoberta transborda, mas infelizmente, eles  convidam duas jovens a partilhar o lugar ampliado por eles, mesmo que isso reduza a área aberta de forma dramática. Em seguida, uma tia idosa é acomodada em um pequeno cubículo, e como uma coisa leva a outra, a sua sala secreta fica realmente mais lotada do que espaço de comum de aluguel. Há humor na perda definitiva do protagonista, mas o humor é sombrio. Embora a situação que Ballard descreve pode ser exagerada satiricamente, aborda uma questão que é ainda mais relevante hoje do que quando a história foi escrita pela primeira vez.


Fonte: Enciclopédia da Ficção Científica - Don D'Ammassa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário