quinta-feira, 29 de maio de 2014

Edmund Cooper — Cavalo-Marinho no Céu (trecho)


EDMUND COOPER — CAVALO-MARINHO NO CÉU

Tradução AGATHA MARIA AUERSPERG
HEMUS - LIVRARIA EDITORA LTDA.

1

Parecia o cenário do Dia da Ressurreição. Talvez fosse apenas um pesadelo irracional em plena luz do dia - com um toque de Brueghel, uma pincelada de Dali e uma pitadinha de Peter Sellers. O conjunto provocava uma vontade irresistível de dar gargalhadas, ou chorar ou fazer outra coisa qualquer. De repente, as pessoas começaram a rir e a chorar - e a fazer outras coisas mais. De fato, não existe nada que possa perturbar, ou desnortear ou incomodar mais do que a total ignorância de onde, como, por que e quem. O primeiro a sair de seu "caixão" foi Russell Grahame. Teve muita sorte. Quase no mesmo instante lembrou-se que era Russell Grahame, Membro do Parlamento, eleito em Middleport North, no condado de Lancashire.
Sabia quem era, mas continuou ignorando onde, como e por que. Também faltava-lhe a noção de quando. Deduziu que isso provava tratar-se de algum sonho maluco, e não demoraria em acordar pela voz de alguém dizendo: "Apertem seus cintos, por favor, e apaguem os cigarros. Em mais ou menos dez minutos estaremos aterrissando no aeroporto de Londres".
Percebeu que não poderia acordar, pois já estava acordado, e o pesadelo era real. 
Saíra de um "caixão" que parecia feito de plástico verde. Era o último de uma fila de caixões idênticos, ordenadamente dispostos no meio da rua, entre um prédio que ostentava o letreiro "Hotel" de um lado e outra construção que ostentava o letreiro "Supermercado" do outro.
A rua parecia ter uma largura de dez metros e um comprimento de cem. Começava e terminava num mato espesso de gramas e arbustos. Era um minúsculo oásis urbano numa grande savana verde. Em frente ao hotel havia um táxi. Via-se um carro parado ao lado do supermercado. Não se via gente nenhuma - fora as pessoas que estavam emergindo dos caixões verdes.
Uma moça de pele escura chutou com violência a tampa de seu caixão, levantou-se, emitiu um grito estridente e desmaiou. Pareceu o sinal que desencadeou uma algazarra completa. Logo emergiram um homem e uma mulher. Ambos eram brancos. Lançaram olhares assustados em volta, encontraram-se, e se lançaram um contra o outro, abraçando-se com tanta força que parecia não quisessem mais se soltar.
Dois homens saíram de dois caixões que se encontravam lado a lado, esbarrando um no outro e caíram ao chão; atracaram-se quase que no mesmo instante, começando a lutar. E pararam de súbito.
Três moças aterrorizadas estavam rindo e chorando, sentindo-se estranhamente mais seguras compartilhando do mesmo terror.
Finalmente dezesseis pessoas, após saírem de dezesseis caixões, começaram a fazer um barulho cujo tamanho poderia ser suficiente para acordar até os mortos, ou pelo menos chamar a atenção de qualquer um que se encontrasse no interior do hotel ou do supermercado. Mas parecia que se houvesse alguém morando no hotel ou fazendo compras no supermercado, já estivesse acostumado com a bagunça provocada pela ressurreição no meio da única rua à vista, para não ter nenhuma curiosidade a respeito. Ninguém apareceu.
A algazarra parecia não querer chegar ao fim; as pessoas falavam, gritavam, gesticulavam ou balbuciavam coisas sem nexo. Pareciam confusas, traumatizadas, como se tivessem passado por alguma experiência terrível. E na realidade era isso que acontecera com elas. Aliás, continuava acontecendo. (...)

Nenhum comentário:

Postar um comentário