quarta-feira, 27 de maio de 2015

John Wyndham — Galeria de Capas

Galeria de fotos de capas de John Wyndham no Google+ https://plus.google.com/u/0/photos/103998711237758699926/albums/6133130200771557569
Wyndham, John

John Wyndham Lucas Parkes Beynon Harris wrote under various combinations of his names, although almost everything after 1945 was as John Wyndham. He began writing science fiction in the 1930s, mostly traditional space adventures and tales of superscience. The Secret People (1935) is a mildly interesting lost race novel. Efforts to irrigate the Sahara cause trouble when they stir up the residents of a subterranean race that has been hiding from the surface world for thousands of years. Stowaway to Mars (1935, also published as Planet Plane and as The Space Machine) is a routine story of the political and commercial rivalries involved in the race to be the first to reach the planet Mars. The story is primarily of interest because Wyndham included a female character who was not relegated to the category of helpless female or presented as merely a foil to whom the protagonist explains everything. Strong female characters would recur with some frequency in Wyndham’s later work. Most of his short stories from this period can be found in Love in Time (1946, as by Johnson Harris), The Seeds of Time (1956), Sleepers of Mars (1973), Wanderers of Time (1973), and Exiles on Asperus (1979), the last three as by John Beynon. The short story “Sleepers of Mars” (1938) is a loose sequel to Stowaway to Mars.

After World War II Wyndham largely abandoned outer space as a setting for his work. Short stories such as “Jizzle” (1949), “Close Behind Him” (1953), and “Chronoclasm” (1953) were more thoughtful and sophisticated, and tended to present their fantastic content in a form that would be palatable to mainstream readers. His next novel was The DAY OF THE TRIFFIDS (1951, also published as Revolt of the Triffids), which was faithfully transformed into a BBC miniseries but in 1963 was turned into yet another shambling monster movie. Ambulatory plants with a poisonous sting become a major threat when an anomalous meteor shower causes near universal blindness. Out of the Deeps (1953, also published as The Kraken Wakes) followed. This was an alien invasion story somewhat in the vein of The WAR OF THE WORLDS (1898) by H. G. WELLS, in that the aliens are almost entirely offscreen during the novel. Wyndham acknowledged Wells as the author who most influenced his own work. Wyndham’s alien invaders have settled underneath the world’s oceans and use their advanced technology to melt the icecaps and flood the coastal regions, wreaking havoc on the surface world. Concerted action against them is constrained by international tensions and by humanity’s inability to see beyond its parochial concerns. The result is a story more concerned with life in the midst of a major environmental disaster than in a confrontation with monstrous aliens, all told in an understated, unmelodramatic narrative style that was extraordinarily effective.

RE-BIRTH (1955, also published as The Chrysalids) is one of the best stories of life generations after a nuclear holocaust, ranking with DAVY by Edgar PANGBORN and The Long Tomorrow (1955) by Leigh BRACKETT. The Midwich Cuckoos (1957, also published as Village of the Damned after the 1960 film version) posed an interesting situation. A small English village is cut off from the outside world by a force field for a short period, during which time everyone inside the perimeter remains unconscious. The zone of interdiction is subsequently lifted, with no explanation of its cause, and no obvious effects within the affected area, but months later every female in the village of child bearing age finds herself pregnant. The children who are born all bear a strange similarity to one another, and as they mature they begin to display extraordinary psi powers, abilities so potent and dangerous that the authorities realize the children have to be destroyed because they menace the human race. Wyndham’s matter-of-fact style was particularly effective, although the plot does not entirely make sense.

During the late 1950s Wyndham wrote a sequence of five stories that made up a brief future history. Following an atomic war, Brazil and India emerge as the two major world powers. As they develop their own space programs, the members of the Troon family emerge as pivotal figures. Four of the stories were published in book form as The Outward Urge (1959), as by John Wyndham and Lucas Parkes, although Parkes is another of his pseudonyms. A revised edition added the remaining story in 1961.

The last of Wyndham’s major novels was Trouble with Lichen (1960), in which the discovery of a method by which the human lifespan can be significantly extended has an ever widening effect on various aspects of human society. All of Wyndham’s previous novels showed minor variations in text between the American and British editions, but the disparities for Trouble with Lichen were much more substantial, with U.S. publishers removing much of the author’s commentary on international politics. His remaining two novels were comparatively minor. In Chocky (1968), a young boy’s imaginary friend turns out to be a visiting alien. It was filmed for television. Web (1979), published posthumously, describes the consequences when a group attempts to turn a remote island into a utopian community, only to discover that the local insect population has a unique society and defense mechanism of its own.

Wyndham’s later stories have been assembled as Jizzle (1954), Tales of Gooseflesh and Laughter (1956), Consider Her Ways and Others (1961), and The Infinite Moment (1961). Time travel was a common theme in the last of these. His single best short story is “CONSIDER HER WAYS” (1956), a visit to a future feminist utopia of sorts, and surprisingly advanced for its time. Although technology is sometimes important to the plot of his stories, it is always subordinated to the characters. Wyndham achieved verisimilitude by populating his fiction with ordinary people with whom his readers could readily identify.

Encyclopedia of Science Fiction
Don D'Ammassa

sexta-feira, 22 de maio de 2015

À Nossa Frente, o Wub — Philip K. Dick (Conto Completo)

À Nossa Frente, o Wub, por Philip K. Dick

(Tradução de João da Silva)

"O negligente wub poderia bem ter dito: muitos homens falam como filósofos e vivem como tolos."

Haviam quase terminado com a carga. Lá fora restava o Optus, seus braços cruzados, a cara fechada. O capitão Franco desceu descontraído a plataforma de carga, sorrindo.

“Qual o problema?” ele disse. “Vocês estão sendo pagos por isso tudo.”

O Optus não disse nada. Virou-se, juntando sua capa. O capitão pisou na beirada dela.

“Só um minuto. Não vá ainda. Eu não terminei.”

“Oh?” o Optus se virou, com dignidade. “Estou voltando à aldeia.” Ele olhou para os animais e pássaros sendo empurrados para a plataforma de carga, para dentro da espaçonave. “Preciso organizar novas caçadas.”

Franco acendeu um cigarro. “Por que não? Vocês podem ir lá no sertão e caçar isso tudo de novo. Mas quando nós estivermos a meio caminho entre marte e a terra –“

Sem dizem uma palavra, o Optus se foi. Franco se juntou ao tripulante no pé da plataforma.

“Como vai a coisa?” Olhou para seu relógio. “Fizemos um bom negócio aqui.”

O tripulante olhou para ele de relance, irritado. “Como você explica aquilo?”

“Qual o problema? Precisamos disso mais do que eles.”

“Te vejo mais tarde, capitão”. O tripulante seguiu seu caminho na plataforma, no meio dos pássaros marcianos de pernas longas, para dentro da nave. Franco observou enquanto ele sumia de vista. Estava justamente indo atrás dele, subindo a plataforma para entrar no embarque, quando ele o viu.

“Meu deus!” Ficou olhando, suas mãos nos quadris. Peterson estava andando pela trilha, seu rosto vermelho, levando a coisa em uma corrente.

“Desculpe capitão”, ele disse, puxando a corrente. Franco caminhou até ele.

“O que é isso?”

O wub ficou lá, indolente, seu grande corpo relaxando lentamente. Estava sentado, com os olhos semicerrados. Umas poucas moscas zuniam em seu flanco e ele balançava sua cauda.

A coisa sentou. Fez-se silêncio.

“É um wub,” disse Peterson. “Arrumei esse com um nativo por cinquenta centavos. Ele disse que é um animal muito incomum. Muito respeitado.”

“Isso?” Franco cutucou o grande lombo do wub. “Isso é um porco! Um grande porco sujo!”

“Sim, senhor, é um porco. Os nativos chamam isso um wub.”

“Um porcão. Deve pesar uns duzentos quilos.” Franco puxou um punhado do pelo grosso. O wub arfou. Seus olhos abriram, pequenos e úmidos. Então sua grande boca se retorceu.

Uma lágrima rolou pela bochecha do wub abaixo e caiu no piso.

“Talvez seja bom de comer,” disse Peterson nervosamente.

“Já, já saberemos,”, disse Franco.

* * * * *

O wub sobreviveu à decolagem, profundamente adormecido no compartimento de carga da nave. Quando já estavam no espaço e tudo estava tranquilo, o capitão Franco pediu a seus homens que trouxessem o wub para cima para que ele pudesse descobrir que tipo de animal era aquele.

O wub grunhia e bufava, espremendo-se corredor acima.

“Venha”, ralhou Jones, puxando a correia. O wub se contorceu, esfregando seu couro nas paredes lisas cromadas. Ele irrompeu na ante-sala, caindo no chão como um pacote. Os homens saltaram.

“Meu deus,”, disse French. “O que é isso?”

“Peterson diz que é um wub”, disse Jones. “Pertence a ele.”. Ele chutou o wub. O wub se levantou cambaleante, arfando.

“Qual o problema com isso?” French chegou mais perto. “Será que vai ficar doente?”

Eles observaram. O wub revirava os olhos melancolicamente. Olhou os homens à sua volta.

“Acho que ele está com sede,” disse Peterson. Ele saiu para buscar água. French balançou a cabeça.

“Não é de se admirar que tenhamos tido tanto trabalho para decolar. Tive que refazer todos os meus cálculos de lastro.”

Peterson voltou com a água. O wub começou a lamber a água, agradecido, espirrando-a nos homens.

O capitão Franco apareceu na porta.

“Vamos dar uma olhada nisso.” Ele avançou, observando criticamente. “Você conseguiu isso por cinquenta centavos?”

“Sim, senhor”, disse Peterson. “Ele come praticamente de tudo. Eu o alimentei com cereal e ele gostou. E então, com batatas, com purê, com sobras de refeição, com leite. Ele parece que gosta de comer. Depois de comer ele deita e dorme.”

“Entendi”, disse o capitão Franco. “Agora, sobre seu gosto. Essa é a verdadeira questão. Duvido que haja sentido em engordar isso ainda mais. Parece estar gordo o suficiente pra mim, já. Onde está o cozinheiro? Quero ele aqui. Quero descobrir –“

O wub parou de tomar água e olhou para o capitão.

“Realmente, capitão”, disse o wub, “sugiro que conversemos sobre outros assuntos.”

A sala ficou em silêncio.

“O que foi isso?” disse Franco. “Bem agora.”

“O wub, senhor,” disse Peterson. “Ele falou.”

Todos olharam para o wub.

“O que ele disse? O que ele disse?”

“ele sugeriu que falássemos de outra coisa.”

Franco caminhou em direção ao wub. Andou à sua volta, examinando-o por todos os lados. Então voltou para junto de seus homens.

“Imagino se não haverá um nativo dentro dele,”, disse, pensativo. “Talvez devamos abri-lo para dar uma olhada dentro.”

“Oh, pelo amor de deus,”, gritou o wub. “É só nisso que vocês conseguem pensar? Matar e cortar?”

Franco cerrou os punhos. “Saia já daí! Quem quer que você seja, saia daí!”

Nada se moveu. Os homens permaneceram juntos, suas faces vazias, olhando para o wub. O wub balançou o rabo. De repente, ele arrotou.

“Perdão,” disse o wub.

“Não creio que tenha alguém aí dentro,” disse Jones em voz baixa. Eles todos se entreolharam.

O cozinheiro chegou.

“Queria me ver, capitão?” ele disse. “Que que há?”

“Isso é um wub”, disse Franco. “É de comer. Meça ele e arrume um jeito – “

“Acho que precisamos conversar”, disse o wub. “Eu gostaria de discutir isso com você, capitão, se possível. Vejo que você e eu discordamos a respeito de algumas questões básicas.”

O capitão levou um bom tempo para responder. O wub esperou, tranquilo, sugando a água de suas mandíbulas.

“Venha até meu escritório”, o capitão disse finalmente. Ele se virou e saiu da sala. O wub levantou e o seguiu. Os homens o olharam enquanto ele saia. Ouviram-no subir as escadas.

“Queria saber o que vai sair disso,”disse o cozinheiro. “Bom, vou estar na cozinha, me avisem assim que souberem alguma coisa.”

“Claro,”, disse Jones. “Claro.”

* * * * *

O wub desabou relaxadamente em um canto, com um suspiro. “Perdoe-me,”, ele disse. “Temo que tenha-me tornado viciado em distintas formas de relaxamento. Quando se é tão grande quanto eu –“

O capitão assentiu, impacientemente. Sentou-se em sua mesa e cruzou as mãos.

“Tudo bem,”, disse. “Vamos começar. Você é um wub? É isso?”

O wub deu de ombros. “Suponho que sim. É assim que eles nos chamam, os nativos, quero dizer. Nós temos nosso próprio termo.”

“E você fala inglês? Já teve contato com gente da terra antes?”


“Então como você faz isso?”

“Falar inglês? Estou falando inglês? Não tenho consciência de estar falando nada em particular. Examinei sua mente –“

“Minha mente?”

“Estudei seu conteúdo, especialmente o estoque semântico, como eu o chamo –“

“Entendo,” disse o capitão. “Telepatia. Claro.”

“Somos uma raça muito velha,”, disse o wub. Muito velha e pesadona, é difícil para nós nos movermos por aí. Você há de entender que qualquer coisa tão lenta e pesada estaria à mercê de formas de vida mais ágeis. Confiar em defesas físicas não era de muita serventia para nós. Como poderíamos prevalecer? Pesados demais para correr, fracos demais para lutar, pacíficos demais para caçar –“

“Como vocês vivem?”

“Plantas. Vegetais. Podemos comer quase qualquer coisa. Somos muito universais. Tolerantes, ecléticos, universais. Vivemos e deixamos viver. É assim que nós vamos vivendo.”

O wub lançou um olhar para o capitão.

“E é por isso que eu objetei tão violentamente a esta história toda sobre me cozinhar. Eu podia ver a imagem na sua mente – a maior parte de mim no freezer, uma parte na panela, um pouco para seu gato de estimação –“

“Então você lê mentes?” disse o capitão. “Que interessante. Mais alguma coisa? Quer dizer, você faz mais alguma coisa parecida?”

“Uma coisinha ou outra.” Disse o wub, distraído, olhando o quarto á sua volta. “Um belo apartamento o que você tem aqui, capitão. Você o mantém bem arrumado. Eu respeito formas de vida organizadas. Alguns pássaros marcianos são bastante organizados. Eles jogam coisas fora de seus ninhos e os varrem –“

“Mesmo?” assentiu o capitão. “Mas, voltando á questão –“

“Perfeitamente. Você mencionou me jantar. Me foi dito que o gosto é bom. Um tanto gorduroso, mas macio. Mas como poderia algum contato mais permanente ser estabelecido entre seu povo e o meu se vocês usam de atitudes tão bárbaras? Me comer? Você, pelo contrário, deveria discutir questões comigo, filosofia, artes –“

O capitão levantou. “Filosofia. Pode lhe interessar o fato de que teremos bastante dificuldade para encontrar o que comer durante o próximo mês. Uma perda infeliz –“

“Eu sei.” O wub assentiu “Mas não estaria mais de acordo com seus princípios de democracia se todos disputássemos na sorte, ou algo assim? Afinal, democracia é para proteger a minoria justamente deste tipo de violação. Agora, se cada um de nós votasse –“

O capitão caminhou para a porta.

“Ora, dane-se,” disse. Abriu a porta. Abriu a boca.

Permaneceu lá, congelado, a boca aberta, os olhos mirando o vazio, seus dedos ainda na maçaneta.

O wub o observou. Depois, caminhou para fora da sala, passando ao lado do capitão. Seguiu pelo corredor, perdido em seus pensamentos.

* * * * *

O quarto estava quieto.

“Veja você,”, disse o wub. “Nos temos um mito em comum. Sua mente contém muitos símbolos míticos familiares. Ishtar, Odisseu, -“

Peterson estava sentado em silêncio, olhando para o chão. Ele se mexeu na cadeira.

“Continue,” ele disse. “Por favor continue.”

“Vejo no seu Odisseu uma figura comum à mitologia da maioria das raças auto-conscientes. Da maneira como o entendo, Odisseu vaga como um indivíduo, consciente de si mesmo como tal. Esta é a ideia de separação, de separação da família e do país. O processo de individuação.”

“Mas Odisseu retorna para seu lar.” Peterson olhou pela janela da nave, para as estrelas, estrelas sem fim, queimando diligentemente no universo vazio. “Ele finalmente vai para casa.”

“Como devem fazer todas as criaturas. O momento da separação é um período temporário, uma breve jornada da alma. Ele começa, ele termina. O viajante retorna para sua terra e sua raça...”

A porta se abriu. O wub parou, virando sua grande cabeça.

O capitão Franco entrou na sala, os homens atrás dele. Na porta, hesitaram.

“Você está bem?” disse French.

“Você está falando comigo?” disse Peterson, surpreso. “Como assim?”

Franco abaixou sua arma. “Venha cá,” disse para Peterson. “Levante-se e venha até aqui.”


“Vá em frente,” disse o wub. “Não há problema.”

Peterson levantou. “Pra que?”

“É uma ordem.”

Peterson caminhou até a porta. French agarrou seu braço.

“O que está havendo?” Peterson se soltou, com um safanão. “Que que há com vocês?”

O capitão Franco moveu-se na direção do wub. De seu canto da sala o wub olhou para cima, pressionado contra a parede.

“Interessante,”, disse o wub, “sua obsessão com a ideia de me comer. Imagino por que será.”

“Levante-se”, disse Franco.

“Se você assim deseja.” O wub levantou-se, grunhindo. “Seja paciente. Isso é difícil para mim.” Ficou de pé, arfando, sua língua balançando tolamente.

“Atire nele agora,” disse French.

“Pelo amor de deus!” exclamou Peterson. Jones se virou para ele rapidamente, seus olhos cinzentos de terror.

“Você não viu ele – como uma estátua, parado lá, sua boca aberta. Se não tivéssemos ido lá embaixo, ele ainda estaria lá.”

“Quem, o capitão?” Peterson olhou em volta. “Mas ele está bem, agora.”

Eles olharam para o wub, em pé no meio da sala, seu grande peito subindo e descendo com a respiração.

“Vamos,” disse Franco. “Fora do caminho.”

Os homens saíram da frente, para o corredor.

“Você está um tanto amedrontado, não?” disse o wub. “Por acaso fiz algo a você? Sou contra a ideia de ferir. Tudo que fiz foi tentar me proteger. Você esperava que eu corresse ansiosamente para minha morte? Sou um ser racional, como vocês mesmos. Estava curioso para ver sua nave, aprender sobre vocês. Eu sugeri aos nativos –“

A pistola balançou.

“Veja só,”, disse Franco. “Eu imaginava isso.”

O wub sentou, resfolegando. Pôs uma pata à frente, enrolando a cauda ao seu redor.

“Está muito quente. Percebo que estamos perto dos foguetes. Poder atômico. Vocês fizeram muitas coisas maravilhosas com isso – tecnicamente. Aparentemente sua hierarquia científica não está equipara para resolver questões morais, éticas –“

Franco virou para seus homens, apinhados atrás dele, olhos arregalados, em silêncio.

“Eu faço. Vocês podem assistir.”

French assentiu. “Tente acertar o cérebro. Não é bom pra comer. Não acerte o peito. Se a caixa torácica se esmigalhar, teremos que catar os ossos.”

“Escutem,” disse Peterson, mordendo os lábios. “Ele por acaso fez alguma coisa? Que mal ele fez, eu pergunto? E, de qualquer forma, ele ainda é meu. Vocês não têm direito de atirar nele. Ele não pertence a vocês.”

Franco levantou sua pistola.

“Vou sair,”, disse Jones, sua face pálida. “Não quero ver isso.”

“Eu também,” disse French. Os homens saíram, murmurando Peterson permaneceu na porta.

“Ele estava me falando sobre mitos,” ele disse. “Não teria machucado ninguém, ele.”

Ele saiu.

Franco caminhou na direção do wub. Este olhou para cima, lentamente. Engoliu em seco.

“Uma tolice,” ele disse. “Lamento que você deseje fazer isso. Havia uma parábola que seu salvador contava –“

Ele parou, olhando para a pistola.

“Você pode me olhar nos olhos e fazer isso?” disse o wub. “Você consegue fazer isso?”

O capitão olhou para baixo. “Posso te olhar nos olhos,” ele disse. Lá na fazenda a gente tinha porcos. Porcos selvagens imundos. Eu posso fazer isso.”

Olhando para o wub abaixo de si, para seus olhos brilhantes e úmidos, ele puxou o gatilho.

* * * * *

O gosto estava excelente.

Eles estavam sentados ao redor da mesa, taciturnos. Alguns mal comiam. O único que parecia estar se divertindo era o capitão Franco.

“Mais?” disse, olhando em volta. “Mais? E algum vinho, talvez.”

“Não para mim,” disse French. “Acho que vou voltar para a sala de navegação.”

“Eu também.” Jones levantou-se, empurrando sua cadeira para trás. “Até mais.”

O capitão os observou partir. Alguns dos outros também aproveitaram para sair.

“O que você crê seja o problema?” disse o capitão. Virou-se para Peterson. Peterson estava sentado olhando para seu prato, para as batatas, as ervilhas e para o grande pedaço de carne macia e quente.

Ele abriu sua boca. Nenhum som saiu dela.

O capitãp pôs sua mão no ombro de Peterson.

“É só matéria orgânica agora,” ele disse. “A essência da vida se foi.” Ele comeu, pegando um bocado de molho com um naco de pão. “Eu mesmo, adoro comer. É uma das grandes coisas que uma criatura viva pode apreciar. Comida, descanso, meditação, discutir coisas.”

Peterson concordou. Dois outros homens se levantaram e saíram. O capitão bebeu um pouco de água e suspirou.

“Bem,”, disse. “Devo admitir que esta foi uma refeição bastante agradável. Todos os relatos que havia ouvido eram realmente verdade – o gosto de wub. Muito agradável. Mas eu estava impedido de apreciá-lo em tempos passados.”

Limpou os lábios com o guardanapo e se recostou na cadeira. Peterson olhava desanimado para a mesa.

O capitão o observava atentamente. Inclinou-se em sua direção.

“Ora, vamos,” disse. “anime-se! Vamos discutir coisas.”

Ele sorriu.

“Como estava dizendo antes de ser interrompido, o papel de Odisseu nos mitos –“

Peterson levantou-se de um salto, olhando-o.

“Continuando,” disse o capitão. “Odisseu, tal como o compreendo -"


Publicado pela primeira vez em Planet Stories, Julho de 1952.

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Belen (Nelly Kaplan) - Yo Os Saludo, Maridos (cuento corto)

Belen (Nelly Kaplan) - Yo Os Saludo, Maridos

Desde hace ya milenios, vivimos nuevamente bajo el régimen del matriarcado.

Las mujeres han ganado la partida. Y la han ganado por completo. Estamos pagando acerbamente su antigua servidumbre. Nosotros, los hombres. Y esto dura desde hace milenios.

Sin embargo, a veces tengo la esperanza de un cambio. En la historia de este mundo, los días se siguen y no se parecen. Y es en los libros de historia donde busco un motivo de esperanza. Soy en efecto uno de los muy pocos hombres que gustan aún de la lectura. Durante los largos días que paso recluido en la morada que me ha sido asignada, leo las obras de los antiguos. Incluso las comprendo. Parece que, pese a mi condición, mi inteligencia se halla por encima de la media. Es sin duda por esta razón por lo que ellas me vigilan con una insistencia muy especial. Pero esto no me impide devorar obras que, en destellos, me revelan lo que era el mundo en un lejano pasado, mucho antes del matriarcado. Esto me hace soñar. En vano. Porque jamás saldremos de nuestro estado. La esperanza, verdaderamente, no puede ser más que una ilusión No podemos escapar. Ellas se las han arreglado admirablemente para darnos lo esencial: el albergue, el sustento, incluso el confort. En suma, una especie de anestesia, un anquilosamiento mental que nos encarcela con mayor seguridad que los barrotes de una prisión. Ni siquiera tenemos la idea de intentar una evasión. Y cuando, algunas veces, intento suscitar una revuelta, mis compañeros me miran asustados y se apartan de mí con desconfianza. No comprenden. Quizá me denuncian. Es el eterno masculino, con sus debilidades y sus ruindades. Uno apenas puede fiarse del sexo débil.

Evidentemente, en esta casa de lujo y de lujuria, nada falta a nuestros caprichos. Los días se deslizan en la suavidad del no hacer, las noches en el placer. Es cierto también que somos bien tratados y que nunca ~n fin, casi nunca– se nos castiga.

Pero yo no soy feliz.

Ellas lo saben. Creo oírlas aún.

–Tú no serás nunca feliz –me dicen –. Piensas demasiado. ¿Pero para qué? Es más sencillo resignarte. De todos modos, no puedes cambiar la condición del hombre.

–No se puede cambiar un estado de cosas ya establecido. ¿Cómo te explicas que los grandes creadores sean siempre mujeres? –añaden con una suavidad teñida por una cierta irritación.

Tienen razón, lo sé. Los hombres no inventan nunca nada. No crean nunca nada sorprendente. Siempre tienen razón. Incluso cuando se muestran ligeramente apenadas por nuestro incurable cretinismo. Incluso ahí, ¿cómo luchar? Milenios de atavismo nos aplastan.

Y los días, los meses, se deslizan en esta casa donde me albergo. Desde mi más tierna infancia, he sido iniciado en todas las sutilidades de los ritos que las mujeres vienen a celebrar aquí, para olvidar las fatigas de sus jornadas, cansadas de trabajo y de responsabilidades.

Apenas salido del I.D.A.E.V. (Instituto de Altos Estudios Voluptuosos), fui traído aquí. Me hallo, al parecer, excepcionalmente dotado por la naturaleza; intuitivo a la medida de sus deseos, tierno a veces, eficiente siempre. ¿Y cómo no serlo, puesto que lo han previsto todo? Incluso cuando son repulsivas, estamos condicionados para servirles. Es algo más fuerte que nuestra voluntad. Bien, la carne es débil, y ellas han leído todos los libros. Es así que las experiencias científicas de un profesor del siglo XX les han inspirado la solución soñada. Solución que fue aplicada con éxito: en el I.D.A.E.V., durante el transcurso de muy largos años de estudio, cada vez que nos ponían eufóricos –¡y ellas saben cómo lograrlo!– sonaba un timbre en las salas de trabajos prácticos. Esto nos ha dado, después de innumerables sesiones de euforia, un reflejo condicionado tal que al menor eco de un timbre... En resumen, desde el momento en que una mujer, por poco seductora que sea, viene a visitarnos, un astuto sistema de campanillas desencadenado en las habitaciones hace automáticamente de nosotros una inagotable –o casi – víctima maravillada.

Un día, tal vez, todo cambiará de nuevo. Mi intuición me dice que el relevo será efectuado por esos extraños mutantes aparecidos después de la primera Gran Destrucción, esos turbadores andróginos de ojos sembrados de polvo áureo. Por el momento, se hallan aún a nuestro servicio. Pero su extraña sonrisa y la extensión de sus poderes hacen que no me equivoque. Nosotros, los hombres, y las mujeres que actualmente nos dominan, desapareceremos en los siglos venideros. Y creo que esto no será más que lo justo.

Pero esto pertenece al futuro. En este mismo momento, como huésped resignado que soy, oigo unos pasos que suben hacia mi habitación. La puerta se abre. Me siento demasiado cansado para volverme y permanezco tendido indolentemente, con los ojos cerrados.

Una mujer más...

Ella se acerca y, con una voz ahogada por el abuso de los licores marcianos, me saluda. Después comienza a desnudarme. ¿Es hermosa u horrible? Supongo que es tiempo ya de abrir los ojos para saberlo. Pero ya un dulce vértigo de campanillas me da todas las respuestas. Y prefiero permanecer con los ojos cerrados, dejándome llevar, resignado y satisfecho.

No hay revuelta posible. Es, de nuevo, el matriarcado.


De Nueva Dimensión n. 10. Julio de 1969

Titulo original: LE VOUS SALUE, MARIS

Traducción de P. Domingo

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Análise do conto Um Som de Trovão de Ray Bradbury

Um Som de Trovão

Um conto e suas transformações: ficção científica e História 

(Publicado na Revista Tempo, Rio de Janeiro, nº 17, pp. 129-151, 2004)

Ciro Flamarion Cardoso (Professor Titular do Departamento de História da UFF)

1. Considerações teórico-metodológicas 

Estudaremos, neste artigo, um conto de ficção científica de autoria de Ray Bradbury, “Um ruído de trovão”, escrito em 1952, bem como diferentes transcodificações suas, ocorridas em 1954 (história em quadrinhos), 1989 (episódio de série de TV) e 1993 (nova história em quadrinhos). Os referenciais temáticos centrais tanto do conto quanto de suas transcodificações são, por um lado, o tempo ou, mais exatamente, a estrutura do tempo e sua possível transformação; por outro, uma preocupação política com o perigo de um regime democrático poder descambar, ao que parece com rapidez e sem grande dificuldade, para uma ditadura da pior espécie.

Visualizar on-line aqui: http://pt.slideshare.net/hermanschmitz/ciro-flamarion-cardoso-anlise-do-conto-o-som-do-trovo-de-ray-bradbury

Baixar o artigo completo aqui: http://minhateca.com.br/Herman.Schmitz/Marcianos.Cinema/Ensaios/Ciro+Flamarion+cardoso+-+An*c3*a1lise+do+conto+O+som+do+Trov*c3*a3o+de+Ray+Bradbury,519320927.pdf